A Liebee que queria voar

Escrito por -
0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Pin It Share 0 Google+ 0 0 Flares ×

Existe uma história recente da colmeia que me emociona muito, uma das mais chocantes que pude viver e acompanhar: a história da Laila Doce-Mel, a Liebee que queria voar.

Conheci a história da Laila em uma reportagem do Folha da Colmeia e fiquei surpreso. Uma Liebee criança, em um favo distante que apesar de ter asas não conseguia voar.

Lembro que fiquei matutando sobre voar e como seria ficar sem isso. Sabe, voar é essencial, é assim que polinizo, indo de flor em flor, é assim também que vou aos lugares mais altos da colmeia como o mosteiro favo de mel, a biblioteca de alto pólen ou mesmo sair para visitar jardins e conhecer lugares batutas. Os melhores momentos em que balancei o esqueleto incluíam voos e piruetas (já fui uma Liebee jovem) e até hoje quando quero encontrar meus chapas e tomar uma caneca de hidromel vou voando.

Fiquei realmente borocoxô pela pequena Laila. Não só eu, mas todas as Liebees da colmeia se emocionaram com a história. O sonho dela era voar, poder dançar, agitar e polinizar com suas asas.

Quando aquela notícia se espalhou um enxame de Liebees cientistas botaram a cuca para funcionar dia e noite, eram horas de esforço nos favos científicos. Até que veio a notícia polinizadora: cientistas anunciaram na Folha da Colmeia que havia uma chance, mas para isso era preciso beber o mel feito de um pólen especial, de uma flor rara de três cores, difícil à beça de achar.

“parecia impossível achar a flor de três cores.”

Barra, mas não impossível! Liebees de toda a colmeia, de todas as idades e tipos sairam para procurar aquela flor. Achamos muitas flores de uma cor, duas cores e até muito coloridas, mas parecia impossível achar a flor de três cores. Mas depois de um dia chuvoso, uma expedição de várias Liebees voltou de um campo no alto de uma grande montanha com um pólen diferente. Eles haviam encontrado a flor de três cores!

O pólen foi levado voando ao favo de produção, toda a colmeia estava suando frio. Passados dois longos dias o mel estava pronto e foi dado a pequena Laila Doce-Mel. Todos torciam e pensavam positivo, será que iria dar certo?

Tivemos a notícia, a doce Laila agora podia voar! Foi batuta à beça, Liebees choravam e sorriam de emoção. Uma recuperação lenta, primeiro com voos baixos e curtos, mas as asas da Laila agora batiam cheias de alegria.

Coincidentemente a pouco tempo fiquei sabendo de uma história muito parecida entre os humanos, da criança Laila Santos (além de um nome parecido, a Laila humana também é um doçura).
A Laila Santos, de 10 anos, também tem uma limitação, não consegue andar. Apesar disso, é uma menina alegre e muito animada, um exemplo.

Ela foi selecionada para uma cirurgia nos EUA, que pode ser sua chance de realizar o sonho de andar. E assim como no caso da Laila Liebee, ela precisa do esforço de todos. Como os custos da cirurgia são altos (R$ 175 mil, contando com a hospedagem), os pais da Laila e um monte de humanos solidários estão buscando doações e todo mundo pode ajudar!

Para ajudar você pode acessar o site Amigos da Laila e doar pelo PagSeguro ou depósito bancário, ou participar do Lance Mágico, o leilão da Poltrona Fada Madrinha, criação dos nossos amigos do Ê lá em Casa, que terá toda a renda revertida para a causa.

Vamos estourar a boca do balão e ajudar a Laila Santos, uma menina guerreira, positiva e feliz, a realizar seu sonho de andar, dançar balé, surfar e fazer tudo mais que suas pernas permitirem!

Bartolomel Colmeia
Bartolomel Colmeia

Desde tempos antigos polinizo o mundo. Por isso, conheço toda a história da colmeia e de seus maiores polinizadores. Tenho muito para contar e viver, já adianto, basta ter paciência e perseverança para fazer o melhor mel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *