Shakespeare: Bardo dos Favos

Escrito por -
0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Pin It Share 0 Google+ 0 0 Flares ×

Essa semana fui ao teatro, há tempos que não fazia isso, mas sempre achei bacana, desde minha infância como uma pequena Liebee traquinas.

Assisti a uma peça chocante, Sonhos de uma Liebee no Verão, escrita pelo dramaturgo Beeliam Shakespeare. Na história, romântica e cômica, Liebees reais, fadas, doendes e burros falantes em um grande bode envolvendo uma poção do amor. E eu ri à beça!

Durante a peça matutei um pensamento interessante: alguns artistas marcam tanto a colmeia que sua obra se torna eterna. É o caso de Shakespeare, o Bardo dos favos. O escritor nasceu muito antes de mim e já partiu para a colmeia eterna há muito tempo, antes mesmo que eu polinizasse.

Beeliam Shakespeare nasceu no ano de BEEV, em um canto da colméia chamado Stratford-pln-Favo. Vindo de uma família de grandes Liebees polinizadoras foi educado em favos nobres, até que, no murchar das flores de jardim precisou aprender a polinizar em campos mais distantes.

E isso não atrapalhou sua dedicação à escrita e ao teatro, Shakespeare inclusive foi um dos fundadores da companhia Lord Chambeelieve’s Polen, uma patota chocante.

Uma coisa curiosa é que antes de fundar a companhia, Shakespeare ficou seis anos sumido, alguns dizem que ele estava no mundo dos humanos, outros que ele estava em uma colmeia desconhecida. Fato é que o dramaturgo voltou cheio de inspiração e pronto para se tornar a grande Liebee que todos admiramos.

Nossos corpos são nossos jardins, nossas vontades são nossos jardineiros – Shakespeare

 

Suas primeiras obras eram comédias. Muito Zumbido por Nada, conta a história de Cláudio e Hero, duas Liebees enamoradas que sofrem com peças e pegadinhas bem humoradas de outras Liebees. Os Dois Cavalheiros da Colméia, das menores e primeiras comédias de Shakespeare. Focada na amizade e relações. A Liebee Megera, a história de um broto muito brava que muda graças ao amor e o tempo.

Além de outras como O Mercador da ColmeiaTudo Bee Quando Termina Bem.

Porém, derrepente as coisas mudaram! A colmeia sofreu um grande abalo, os jardins começaram a sumir e veio a crise do pólen, de lascar. Isso afetou a todas as Liebees, e a Shakespeare também. O antes escritor de comédias passou a criar histórias agridoces e dramáticas. Igualmente supimpas e comoventes.

Talvez a mais lembrada pelas Liebees seja Romel e Julieta, a história de um casal apaixonado que não pode ficar junto graças a um bode por mel entre suas famílias. Uma história triste, com um final igualmente triste.

Mas a minha favorita é Hamlet, que conta o drama trágico de uma colmeia marcada por traições na família real. A parte que me dá arrepios é quando Shakespeare contesta a ideia de ser uma Liebee, com a frase: Bee or not to bee. Apesar de saber que em nenhum outro lugar ele teria tanto mel.

Fazendo Liebees chorarem e rirem, Beeliam Shakespeare é um dos polinizadores mais marcantes e supimpas da colmeia, um expoente do bzzz dramático e não atoa, o Bardo dos Favos.

 

O Mundo Beelieve é um projeto ilustrado de boas ideias e polinização! Aqui espalhamos ideias positivas e queremos mostrar a todos que tornar o mundo melhor só depende de nos mesmos.

Bartolomel Colmeia
Bartolomel Colmeia

Desde tempos antigos polinizo o mundo. Por isso, conheço toda a história da colmeia e de seus maiores polinizadores. Tenho muito para contar e viver, já adianto, basta ter paciência e perseverança para fazer o melhor mel.

1 Comentário to Shakespeare: Bardo dos Favos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *